O incremento no ensino musical em Timbó está vinculado à criação de grupos musicais, que além de suprir a demanda dos grupos artísticos já existentes, proporciona para as novas gerações a continuidade de nossa identidade cultural.

 

ORQUESTRA DE CÂMARA MUNICIPAL DE TIMBÓ – OCMT

A Orquestra de Câmara Municipal de Timbó foi criada em 1997, pelo Departamento de Cultura da Prefeitura de Timbó, a partir dos anseios de professores e alunos. Naquela época, já existia um grupo de flautas, coordenado pelo professor Hans Hermann Ziel, que ensaiava regularmente obras barrocas como Jesus Alegria, de Johann Sebastian Bach (1685-1750), e obras do período Clássico como a Sinfonia Para Crianças, de Leopold Mozart (1719-1787). Enquanto este grupo de flautas apresentava significativo desenvolvimento, era necessário intensificar a dinâmica educativa com o grupo de cordas em aulas individuais e em naipes, até atingir a homogeneidade desejada. Ziel, que assumiu a coordenação, adotou o método alemão Gradus ad Parnassum, o que proporcionou um considerável aprimoramento musical. Assim, os dois grupos foram unidos formando então, uma orquestra experimental. Essa orquestra era composta, pelos alunos de violino Paulo Henrique Tadeu Lira, Rafael Lira, Alfredo Weis, Sabrina Brunner, Daniel Raduenz e o professor Paulo Lacerda e ainda a violoncellista Noika Roeder Zipf. Nos dois primeiros concertos a orquestra recebeu o apoio do timboense Hans Jürgen Kellermann, que também tocava violoncello. Este trabalho motivou os integrantes para um desenvolvimento musical com base no companheirismo e na união.
O ano de 2005 foi um marco na estruturação da orquestra, que pela primeira vez teve a disposição uma diretoria e um estatuto. Este passo representou um aspecto ascendente na sua organização, que possibilitou reconhecimento como entidade jurídica na busca de recursos e aprovação de projetos e elevou assim, para uma atitude profissional também dos musicistas, embora o caráter musical da OCMT seja filarmônico.
Hans Hermann Ziel foi seu primeiro maestro e fundador, ficando a frente da orquestra entre 1997 à 2005. Entre os anos de 2006 à 2015, a regência da OCMT esteve sob a responsabilidade do músico e maestro Luiz Lenzi,  e desde 2016 à orquestra de Câmara Municipal de Timbó, tem como maestro e diretor artístico o Professor Paulo Lira que foi um dos fundadores da orquestra e depois de vários anos volta para dar continuidade aos trabalhos da orquestra.
Atualmente a OCMT apresenta-se em concertos realizados em Timbó, mas estende sua atuação nos municípios do Médio Vale do Itajaí. Sua diretoria criou, em 2001, um evento denominado Domingo Musical, quando mensalmente ocorriam apresentações da OCMT no Museu da Música, em Timbó. Destacam-se também as apresentações realizadas nas escolas municipais em Timbó, com o objetivo de apresentar a música de câmara às comunidades dos bairros. O contínuo desenvolvimento técnico de seus integrantes, através de aulas individuais e em grupo, ministradas pelos professores da Orquestra, também formaliza como objetivo. Nesses anos de atividade, a OCMT vem desempenhando um importante papel cultural no Médio Vale do Itajaí, apresentando um repertório condizente à contemplação, reflexivo pelos contextos históricos a que pertencem e excluindo assim a indústria cultural que não educa, mas aliena. Além disso, nas bem sucedidas performances destes amigos que se reúnem para tocar, o público jovem se motiva não somente a aprender a tocar algum instrumento, mas também para a socialização pelo viés artístico, que promove humanização e quem sabe, fazer parte da família Orquestra de Câmara Municipal de Timbó.
BANDA MUNICIPAL “PROFESSOR JOÃO MÜLLER”
A Banda Municipal “Professor João Muller” de Timbó, foi fundada em 04 de julho de 1958, quando o maestro e professor João Müller, proveniente da Alemanha, reuniu integrantes do Coral da Sociedade Recreativa e Cultural de Timbó. Em 1965, assumia a regência o maestro Alfredo Girardi e pouco depois, o saxofonista Orlandino Loes. Neste período a Banda teve bastante sucesso, principalmente durante as festividades do centenário de Timbó.Em 1991, com apoio dos músicos e da Prefeitura de Timbó, assumiu a regência da Banda, o pastor e professor de música Hans Hermann Ziel, que manteve o nível elevado do grupo e ampliou o quadro de músicos. No ano 2000, a Banda realizou uma turnê de concertos pela Europa, obtendo um grande intercâmbio cultural com bandas daquela região.Em março de 2002, assumiu a regência o integrante da Banda, o músico Luiz Roberto Lenzi.A Banda Municipal “Professor João Muller” hoje é uma entidade de Utilidade Pública Estadual, declarada pelo governador Luiz Henrique da Silveira, e conta hoje com o apoio de 48 músicos de Timbó e região.
 CORAL “LEOPOLDO KURTZ” DA  SOCIEDADE RECREATIVA E CULTURAL TIMBÓ

 

A história se inicia em abril de 1950, quando na residência de Ella Federsen, um grupo de pessoas comentou sobre a formação de um coral, pois haviam liberado a língua alemã, proibida desde a 2ª Guerra Mundial.

Em 1º de julho do mesmo ano, oficializa-se a criação do Coral Misto da Sociedade Recreativa e Cultural Timbó, tendo como fundadores, os senhores Arnoldo Gessner, Arthur Hocheim, Augusto Adam, Maurício Germer e Osvaldo Kurtz.

O coral teve regentes como: Josef Wollinger, Max Breuel, Germano Bonatti, João Schneider, João Müller, Curt Latzke, Fritz Köemelmaia, Leopoldo Kurtz, Telmo Elias Locatelli, Noika Roeder Zipf, Pastor Hans Hermann Ziel, e hoje, Cristiano Florêncio.

Passado 57 anos de história hoje se denomina Coral “Leopoldo Kurtz” da Sociedade Recreativa e Cultural Timbó, devido ao falecimento do integrante mais antigo Sr. Leopoldo Kurtz, que completou 50 anos como integrante ativo, participativo e um apaixonado pela cultural da cidade.

O coral é filiado à Liga Cultural e Recreativa Vale do Itajaí, contando com 28 integrantes, sob regência de Cristiano Florêncio e presidência de Sra. Augusta Kurtz.

A história desse coral é marcada pela dedicação, vida e exemplo de pessoas que ao longo do tempo, construíram e semearam grandeza, honestidade, paz, amor e harmonia, numa perfeita sintonia musical.

 

 

CORAL INFANTO-JUVENIL DA SOCIEDADE RECREATIVA E CULTURAL TIMBÓ

O Coral Infanto-Juvenil da Sociedade Recreativa e Cultural Timbó foi criado em 31 de agosto de 1993, quando a menina Schayla Kurtz Jurk, então com 10 anos, conversava com sua avó Dona Augusta Kurtz, manifestando seu desejo de um espaço no qual pudesse aprender a cantar, participar de um coral infantil.

Começou assim a trajetória do Coral Infanto-Juvenil da Sociedade Recreativa Cultural Timbo com 18 crianças sob regência de Sally Weise. Teve como regentes também: Anderson Nascimento, Dalci Valentim, Noika Roeder Zipf, e hoje, sob regência de Meri Duwe.

O Coral é coordenado, desde sua fundação, há 15 anos, por Dona Augusta Kurtz, realizando diversas apresentações no município de Timbó, região e estado, levando canções e inspiração através das crianças.

GRUPO VOCAL ” SYAHAMBA”

Em 1999 concretiza-se a idéia de formar um grupo vocal com crianças e adolescentes. No início eram apenas oito integrantes. O tempo passou e hoje conta com aproximadamente dezesseis integrantes, número máximo para grupos vocais, sob regência de Cristiano Florencio.

No decorrer desses anos, o grupo realizou poucas apresentações, se dedicando e direcionando apenas para ensaios.

O repertório tem enfoque maior na Música Popular Brasileira, e a maior parte dos arranjos das músicas são do próprio regente do grupo, Cristiano Florencio.

O nome do grupo foi escolhido em virtude de seu significado:”Caminhando”. A palavra vem de um dialeto da língua Africâner, muito usado no Sul da África. Esse nome é uma homenagem à nossa raiz brasileira, mantendo um pedacinho da história da MPB (Música Popular Brasileira). O africano tomou parte vasta na formação do canto popular brasileiro. Foi certamente no contato com o africano que a nossa rítmica alcançou a variedade, uma das nossas riquezas musicais. A língua brasileira enriqueceu-se em quantidade de termos sonoros e de algumas flexões de sintaxe e dicção, que influenciaram necessariamente a conformação da linha melódica.

GRUPO FOLCLÓRICO “OS CINQUENTÕES”

Na linha tradicionalista, encontra-se o Grupo Folclórico “Os Cinqüentões” composto por 11 bandonionistas.
A primeira apresentação do grupo foi em comemoração ao Aniversário de 50 Anos de Emancipação Política do município de Timbó, em 25 de março de 1984. Desde então, devido ao Cinqüentenário de Timbó, o Grupo Folclórico passou a se chamar “Os Cinqüentões”.