“O tombamento é um dos instrumentos utilizados para acautelar e proteger os bens representativos de diversos segmentos culturais, que estão impregnados das marcas de diferentes épocas de nossa história. Estes bens são, portanto, testemunhos autênticos que devem ser transmitidos às gerações futuras para que fiquem assegurados a preservação da nossa memória nacional e o reconhecimento da identidade e da vocação histórico-cultural do estado e dos municípios. As ações de preservação visam o futuro e são indispensáveis na sua construção, reforçando sua vocação e garantindo suporte básico para a qualidade de vida das futuras gerações”.

 

 

 

O desenvolvimento sustentável do patrimônio cultural de Timbó baseia-se na conservação da herança patrimonial. O plano de desenvolvimento deve ser concebido de forma a incluir o contemporâneo, respeitando-se a escala e as características do conjunto existente. Um elemento decisivo na valorização das áreas consiste na preservação e inclusão do mobiliário e dos equipamentos no espaço urbano. Como exemplo podemos citar o paralelepípedo nas ruas, os quais criam uma atmosfera relacionada com a memória dos primeiros tempos de urbanização da cidade e, além disso, funciona como redutor da velocidade, proporcionando maior segurança para pedestres e ciclistas.
A cidade de Timbó possui dezenas de construções dos séculos XIX e XX, as quais, por lei, devem integrar o patrimônio cultural da união, estado e do município. Os tombamentos realizados na cidade de Timbó dão-se através da Fundação Cultural. É preciso cada vez mais ter uma ‘história para contar’, seja ela pessoal, privada, pública, material ou imaterial, pois sem elas estaremos perdendo nossa identidade, formada pelas etnias alemã e italiana (ítalo -germânicos). A ausência de monumentalidade também é fruto da história de nossa cidade, pois aqui não foram edificadas igrejas nem tampouco capelas do barroco ou sequer foram construídas casas grandes dos senhores de muitos escravos. Nosso patrimônio é formado por festas, tradições, pequenas capelas, cemitérios, engenhos, casas e sítios rurais emoldurados por belíssimas paisagens e construções de taipa (raríssimos exemplares), pedra ou enxaimel, clubes de tiro, dialetos, gastronomia (reconhecida internacionalmente).

 

Orgãos Responsáveis

PREFEITURA DE TIMBÓ

Fundação Cultural de Timbó

Rua 7 de Setembro, 414, Centro. Timbó/SC

Cep: 89120-000

Fone: 47 3382.4170

E.mail: patrimonio@culturatimbo.com.br

 

 

GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA

Fundação Catarinense de Cultura – FCC

Gerência de Patrimônio Cultural

Av. Gov. Irineu Bornhausen, nº 5.600 Agronômica. Florianópolis/SC

Cep: 88025-202

Fone: 48 3953-2300

E-mail: gepat@fcc.sc.gov.br

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO

HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL – IPHAN

Superintendência Regional

Rua Conselheiro Mafra, 141, 2o. andar

Centro. Florianópolis/SC

Cep 88010-100 –

Fone: 48 3223-0883

www.iphan.gov.br

MINISTÉRIO PÚBLICO

Promotorias de Justiça de Defesa ao

Meio Ambiente e do Consumidor

www.mp.sc.gov.br

Coordenadoria Estadual de Defesa do Meio Ambiente.

www.mp.sc.gov.br